Pesquisa divulgada no Construction Summit mostra que 44% dos deficientes físicos são das classes A e B

Cada vez mais os gestores urbanos necessitam levar em conta o enorme contingente de deficientes físicos nos planejamentos das ações voltadas para as cidades. Afinal de contas, segundo o último censo do IBGE, o total de pessoas com algum tipo de deficiência chega a 46 milhões. “E, ao contrário do que prega o senso comum, trata-se de um contingente formado majoritariamente por pessoas com razoável poder aquisitivo”, informou Rodrigo Rosso, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Revendedores de Serviços para Pessoas com Deficiência (Abridef), durante palestra proferida no Construction Summit 2016, realizado em São Paulo, pela Sobratema – Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração.

 

De acordo com Rosso, uma recente pesquisa constatou que 42% dos deficientes são das classes A e B; 44% são da classe C; e apenas 14% são das classes D e E. Para o líder setorial, isso demonstra que há uma visão distorcida sobre esse contingente da população, que não é vista como consumidora. “Outro dado que confirma o predomínio de pessoas de elevado poder aquisitivo é que no ano passado, quando o setor automotivo amargou uma forte queda, as vendas de veículos destinados a deficientes cresceu nada menos que 26%”, afirmou. Lembra ainda que o mercado de produtos destinados a deficientes fatura anualmente cerca R$ 5,5 bilhões.

 

Para os gestores públicos e para o segmento de forma geral, a situação tende a melhorar com a entrada em vigor, no início deste ano, da Lei Brasileira da Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI). “Ela deve mudar a vida do brasileiro com deficiência, dando a ele unidade, força, condições e oportunidades”, comentou Ronilson Silva, advogado da Abridef, que também participou do evento. A seu ver, a nova legislação veio dar um novo rumo ao cumprimento real dos direitos do cidadão com deficiência.

 
Fonte: Assessoria de imprensa

 

 

 

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *