Para brasileiro, corrupção é o principal problema do país

A questão preocupa mais do que as drogas, a violência e os problemas relacionados à saúde. Cresce também a preocupação com a crise econômica e seus reflexos na inflação e no desemprego, segundo pesquisa da CNI. Melhorar os serviços de saúde continua no topo da lista das prioridades

O brasileiro está cada vez mais preocupado com a corrupção e com os impactos da crise econômica, aponta a pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira – Problemas e Prioridades para 2016, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta terça-feira (26). De acordo com o levantamento, 65% das pessoas consideram a corrupção o principal problema do Brasil. O item aparece em primeiro lugar na lista dos problemas extremamente graves de 2015 – era possível citar mais de um. Em 2014, ocupava a 3ª posição, e em 2012, a 4º.

As drogas e a violência aparecem em 2º e 3º lugar entre os problemas extremamente graves, citados por 61% e 57%, respectivamente. A lentidão/impunidade também cresceu no ranking e passou do 6º para o 4º lugar de 2014 para 2015. A saúde veio em 5º. O Ibope Inteligência, a pedido da CNI, entrevistou 2.002 pessoas, em 143 municípios, entre os dias 4 e 7 de dezembro de 2015.

Preocupada com a crise econômica, a população também passou a se incomodar mais com a inflação e com o desemprego. A inflação, que chegou a ocupar a 16ª posição entre os principais problemas em 2012, há dois anos vem preocupando os brasileiros com mais intensidade. Em 2014, foi o 5º principal, e em 2015, o 6º. O percentual de brasileiros que citou a inflação como um problema extremamente grave cresceu de 29%, há três anos, para 46%. Já o desemprego passou de 11º lugar em 2014 para 6º no ano seguinte, empatado com a inflação. Em apenas um ano, saltou de 32% para 46% o número dos que o colocaram como um problema extremamente grave.

Prioridades

A CNI também perguntou aos entrevistados quais devem ser as prioridades para o governo em 2016. Há dois anos controlar a inflação surge como a segunda principal prioridade para o ano. Fica atrás apenas da necessidade de melhorar os serviços de saúde, que aparece no topo das prioridades desde 2013. A novidade foi o combate à corrupção, que passou de 5º lugar em 2015 para 3º. Empatado em terceira posição, surge a promoção da geração de empregos.

Problemas e prioridades variam de acordo com a renda

Para os entrevistados de renda familiar mais baixa, o desemprego e a pobreza são problemas mais preocupantes do que para os demais. No grupo de pessoas de faixa de renda familiar mais alta – acima de cinco salários mínimos -, o desemprego aparece como 10º principal problema. Já entre os que recebem até um salário mínimo, aparece na 4ª posição do ranking. O mesmo acontece com a pobreza, que surge em 12º lugar entre os que ganham mais e em 7º entre os que estão na faixa de renda mais baixa. Por outro lado, os impostos elevados ocupam a 6ª posição entre os que ganham mais e caem para a 10ª quando se analisa o grupo que possui renda familiar de até um salário mínimo.

 

Principais problemas do Brasil

1º Corrupção (citada por 65% dos entrevistados)

2º Drogas (61%)

3º Violência (57%)

4º Lentidão da Justiça/impunidade (51%)

5º Saúde (50%)

6º Inflação (46%)

6º Desemprego (46%)

7º Impostos elevados (45%)

8º Desmatamento das florestas (42%)

9º Pobreza (41%)

 

Prioridades para 2016

1ª Melhorar os serviços de saúde (36%)

2ª Controlar a inflação (31%)

3ª Combater a corrupção (26%)

3ª Promover a geração de empregos (26%)

5ª Melhorar a qualidade da educação (23%)

6ª Combater a violência e a criminalidade (22%)

6ª Reduzir os impostos (22%)

8ª Aumentar o salário mínimo (21%)

9ª Aumentar o combate às drogas (15%)

9ª Reduzir os gastos públicos (15%)

 

Fonte: Assessoria de imprensa

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *