Preservando o legado da empresa familiar

Por Sidney Ito*

Nos últimos anos, estudos comprovaram que a presença de empresas familiares vêm crescendo no país e superando a média mundial. Cada vez mais consolidadas no mercado, dados revelam que mais de 90% das companhias nacionais são geridas e operadas por funcionários de uma mesma família. Para ter-se uma breve ideia da importante presença dessas organizações na economia e na movimentação do produto interno bruto (PIB), somente no segmento varejista, por exemplo, 67% das instituições são familiares.

No entanto, apesar desse cenário positivo, também é realidade que, no país, incontável quantidade desse modelo empresarial fecha antes mesmo de chegarem à terceira geração. Pensando nisso, estabelecer um propício ambiente para preservar, solidificar o desempenho e manterem-se no páreo, são cuidados que os gestores e todos os membros devem oferecer total atenção, principalmente visando a preservação do legado familiar.

Integrar e fazer com que todos os colaboradores empenhem-se igualitariamente requer um alto nível de planejamento e preparação, e está longe de ser algo garantido ou obtido sem esforço. Nesse sentido, liderar por meio de exemplos e criar uma cultura de trabalho almejada contribuirá de forma significativa para assegurar que a próxima geração queira permanecer à frente dos negócios.

Visto que pouquíssimos gestores preparam-se previamente, o melhor caminho é traçar um competente e bem elaborado plano de sucessão, garantindo um êxito sustentável e a longo prazo. Além disso, estabelecer objetivos e valores compartilhados, para que o negócio tenha real importância aos envolvidos, perpetuando sua existência mesmo após o afastamento do principal líder, também é fundamental para aumentar a garantia do tempo de vida das organizações familiares, e por consequência de seu sucesso.

Executivos e economistas estimam que mais de 60% dos empresários acreditam em consistente crescimento desse modelo empreendedor nos próximos anos. Ainda que em momento de insegurança econômica, as apostas giram em torno da alta produtividade, e também no que diz respeito às oportunidades de negócios reconhecidas pela organização aliado às condições de trabalho por ela oferecida. A satisfação da equipe, portanto, torna-se imprescindível para que essa meta seja alcançada, beneficiando integralmente toda a estrutura institucional.

Dentre diversas possíveis maneiras de incentivar o profissional e o espírito de equipe, programas de treinamento, ações motivacionais, de engajamento e de desenvolvimento profissional desempenham papel muito importante para que o futuro da empresa comece a se desenhar com mais garantia. A administração precisa despertar nos membros da família interesse nos negócios, a ideia de que sejam parte do sucesso conquistado, além da possibilidade de crescimento empresarial.

Tal postura pode ser primordial para que os membros sintam-se desempenhando papéis importantes, dessa forma executarão suas funções da melhor maneira possível e ainda resguardarão a saúde organizacional.

 

*Sidney Ito é sócio de governança corporativa e consultoria em riscos da KPMG

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *