Lançamentos da Atlas Copco prometem economia e segurança ambiental em obras

Obras ambientalmente responsáveis já são muito mais que uma tendência, são uma obrigação para quem quer ser competitivo no mercado da construção civil. Novidades da Atlas Copco Construction Technique, como o primeiro compressor de ar elétrico fabricado no Brasil e novas tecnologias para pavimentação e compatação, contribuem para que seus clientes atuem de forma produtiva, preservando os recursos naturais

A tecnologia de compressores de ar portáteis acionados por motor elétrico tem se destacado pela ausência de emissão de poluentes e operação silenciosa. Assim como acontece com muitas outras tecnologias inovadoras, importar equipamentos se tornou uma restrição, mas cada vez mais o mercado nacional tem andado no mesmo compasso dos lançamentos mundiais.

O primeiro compressor de ar portátil elétrico fabricado no país é o Atlas Copco XATS 900E. Segundo Alexandro Consentino, gerente de produto responsável pelo lançamento, além da vantagem de ser um equipamento que pode ser adquirido através de FINAME e BNDES, as peças e insumos utilizados são os mesmos dos compressores a Diesel da marca. E como estes são amplamente difundidos, há uma grande disponibilidade de peças de reposição, tais como filtros, válvulas e fluídos.

Outro lançamento recente é uma nova linha de compressores portáteis, de fabricação nacional. Um dos modelos é o XAMS900, que oferece 893pcm na pressão de 8,6bar. Em termos de economia, este equipamento permite a uma empresa que possua três conjuntos de carretas perfuradoras e compressores de ar, realizar o mesmo trabalho com apenas dois conjuntos.  “O Atlas Copco XAMS900 utiliza um motor MWM Maxx Force, que requer manutenção a cada 500 horas contra 250 horas da geração anterior”, explica Consentino. Além de tudo isso, o impacto ambiental de cada obra é reduzido consideravelmente com o uso desse novo equipamento, graças ao menor tempo de funcionamento, volume menor de poluentes emitidos e chassi 100% vedado, que impede qualquer tipo de contaminação de solo proveniente do compressor.

Para o mercado de pavimentação, o método “CompactAsphalt” foi recentemente desenvolvido e patenteado pelo Grupo Atlas Copco. Ainda pouco usado no Brasil, esse método permite a aplicação simultânea de duas camadas de massa asfáltica, mesmo enquanto estão quentes. A primeira camada tem o objetivo de dar segurança e conforto de rodagem. Já a camada inferior tem a função de receber e distribuir as cargas no sentido vertical.

Quando aplicadas ao mesmo tempo, consegue-se um melhor intertravamento mecânico entre as camadas. Isto pode ser traduzido em aderência superior à obtida com o método convencional de pintura de ligação. A pintura de ligação é muito sujeita a falhas, e a falta de adesão entre as camadas provoca um deslizamento e enrugamento, do mesmo modo que um tapete num chão liso. Ao eliminar a fase de pintura de ligação, o consumo de recursos naturais é reduzido. Entre outras vantagens, essa tecnologia aumenta a vida útil do pavimento em aproximadamente 25% e reduz o custo de manutenção da estrada.

O trabalho de compactação depende única e exclusivamente do correto dimensionamento dos parâmetros de operação. Não existe espaço para sub ou superdimensionamento. Ocorrendo qualquer uma dessas situações haverá prejuízo operacional ou baixa qualidade no resultado final. Pensando nisso, a Atlas Copco investe cada vez mais em inteligência embarcada, que se baseia em três conceitos principais: sensores de compactação e posição; ajuste automático da amplitude para obter a transmissão de energia ideal em cada momento e análise com base em dados previamente armazenados.

No quesito medição, a Atlas Copco produz compactadores de última geração, que monitoram com precisão a situação do solo e ainda permitem associar isso com o local onde o rolo compactador está. O operador da máquina pode visualizar estas informações na cabine de comando e assim trabalhar com mais eficiência. Estas informações permitem que a amplitude de vibração seja ajustada em tempo real. A força transmitida para o solo varia conforme sua densidade, gastando energia somente onde é necessário e economizando muito combustível, com menor desgaste das peças.

Finalmente, todos os dados podem ser armazenados para uso posterior e análises. Com as tecnologias de compactação inteligente, é possível montar um histórico técnico completo da operação. Além de segurança, economia e qualidade, também agrega valor na apresentação do resultado da obra.

A conexão com o GPS associa cada posição por onde o equipamento passou, com o estado do solo naquele ponto. Além de oferecer uma garantia precisa da qualidade obtida com o trabalho, permite identificar rapidamente e sem esforço qualquer ponto de correção. Mais que isso, alguns fabricantes utilizam estas informações para montar uma base de dados que pode ser usada para planejamento de futuras operações. A partir daí, softwares como o COMPBASE, da Atlas Copco, permitem comparar as características de um determinado terreno onde se deseja executar uma compactação, com dados de centenas ou até milhares de outras operações, calculando e sugerindo os parâmetros ideais.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *