Em foco: gestão e pós-venda

A M&T Peças e Serviços – 2ª Feira e Congresso de Tecnologia e Gestão de Equipamentos para Construção e Mineração deu ênfase ao fator “produtividade”

 

Uma série de lançamentos em peças, serviços, pós-venda e gestão de equipamentos foi destaque na M&T Peças e Serviços – 2ª Feira e Congresso de Tecnologia e Gestão de Equipamentos para Construção e Mineração, que aconteceu em junho na cidade de São Paulo.

“Durante a realização de qualquer obra, uma das principais preocupações é manter tudo funcionando com eficiência e continuadamente. Para nós, máquina parada representa prejuízo e atrasos”, afirmou Afonso Mamede, presidente da Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração (Sobratema), na solenidade de abertura.

Mamede enfatizou ainda que as empresas precisam estar atentas a fatores internos que podem causar atrasos e sobre os quais elas podem atuar. “Entre eles, manter e conservar os equipamentos em excelentes condições de operação é fundamental. E esse é o foco desta feira”, acrescentou.

Promovido pela Sobratema, o evento contou com a participação de 239 expositores representantes de 266 marcas nacionais e internacionais e atraiu um público de 12.959 profissionais, incluindo empresários, gestores, engenheiros e técnicos do setor.

Os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer, por exemplo, o sistema de monitoramento dos equipamentos em campo da Palfinger, além do Paltronic 50, um controle remoto com visor dos principais indicadores de operação do guindaste.

A BMC-Hyundai destacou duas ferramentas de pós-venda: a manutenção periódica programada (MPP) e o sistema de análise de fluidos LubLife. A primeira garante que o cliente tenha seu equipamento monitorado e revisado durante o período de vigência do plano. A segunda foca a condição dos fluidos, o que favorece a identificação de princípios de falhas de componentes e o auxílio aos clientes em sua operação.

Para apresentar seus serviços de pós-venda, a Sany deu ênfase ao estoque avançado de peças para projetos especiais, equipado com os principais itens de manutenção e suprimentos.

Entre os equipamentos expostos, destaque para a linha de miniescavadeiras da Yanmar South America, desenvolvida para atender a um leque diversificado de aplicações, que permite, a quem utiliza, chegar a locais que normalmente são de difícil acesos.

A FRD-Furukawa reafirmou seu interesse em estar presente no Brasil com as linhas de rompedores hidráulicos e carretas de perfuração hidráulicas.

Os rompedores da marca já está presente em obras de infraestrutura em todas as regiões do País, além da mineração. Nesta última, existe as carretas hidráulicas tem sido bem sucedidas, seja com “top hammer” ou “downthehole”. As aplicações são no calcário, granito, basalto, minério de ferro e ouro.

Produção local

A chinesa LiuGong apresentou a terceira geração de escavadeiras hidráulicas, a série E. Com a proposta de competir em qualidade e preço com tradicionais marcas do mercado mundial, a linha conta com seis modelos que variam de 20 a 50 toneladas.

A companhia analisa a possibilidade de instalar uma fábrica no Brasil. “Há um estudo de viabilidade econômica e técnica em desenvolvimento”, disse Bruno Barsanti, vice-presidente da empresa para a América Latina.

A XCMG, por sua vez, inaugurou sua fábrica em Pouso Alegre (MG), no começo de junho. Com 25 mil metros quadrados de área construída, a fábrica irá produzir toda a linha de terraplenagem, como escavadeiras de médio porte, além da linha de guindastes. Um modelo de guindaste exposto no estande da companhia foi montado em Pouso Alegre.

Outra companhia que aposta no Brasil é a americana Paladin. Até o ano que vem, o mercado nacional começará a receber uma gama de implementos produzidos internamente.

Em 2013, após a aquisição da Siac, a Paladin inaugurou sua primeira fábrica fora dos Estados Unidos, em Guaranésia (MG), com 35.500 metros quadrados. A partir deste ano, serão fabricados valetadeiras, braços de retroescavadeiras, fresadoras de asfalto, garfos pallet, perfuratrizes e vassouras para diversas aplicações.

 

Solução sustentável

Especializado na remanufatura de bombas d’água automotivas, a Real Bombas apresentou o custo-benefício de seus serviços. Além disso, enfatizou os ganhos ambientais que o processo oferece ao evitar o descarte de peças danificadas e o consumo de bens naturais para a fabricação de componentes novos.

“Quando falamos em remanufatura, consideramos um processo idêntico ao dos fabricantes, sendo que, no caso da bomba, são trocados, independente da condição, o rolamento e o sele mecânico, seus componentes vitais”, explicou Álvaro Macedo, diretor-geral da companhia.

Para o executivo, a principal vantagem é o custo-benefício: alia-se preço mais baixo (em média 50% do valor) com a mesma qualidade e a garantia de uma peça nova.

Em um mercado competitivo, a Real Bombas promete um atendimento ágil e eficiente: a empresa leva de um a dois dias úteis para entregar a peça remanufaturada. “Em alguns casos, principalmente por conta da necessidade, o cliente acaba trazendo pessoalmente a peça no período da manhã e aguarda para levá-la pronta após almoço”, contou Macedo. Ele até mesmo acompanha todo o processo de desmontagem, limpeza e montagem, com a troca dos componentes vitais.

“Estamos aptos a atender e, por que não, superar suas expectativas, pois temos profissionais capacitados para executar suas atividades, com excelência, dando total assistência aos clientes”, garantiu. “Nossos técnicos são treinados, e os produtos e serviços têm garantia de seis meses”, completou.

 

Inovação e resultados

A DN4 Tecnologia também foi um dos destaques do Salão de Tecnologia. A empresa promoveu os softwares de gestão ERP Locação.NET e DN4 Powered by SAP, que atendem a locadoras e concessionárias de máquinas.

“O sistema, desenvolvido em parceria com a SAP, aperfeiçoa o controle do estoque de produtos ou máquinas utilizadas pelos clientes e, consequentemente, gera significativa redução de custos com manutenção, a qual pode variar entre 22% a 43%”, explica Claudio Duarte, diretor-presidente da empresa.

Já a Leica Geosystems expôs os sistemas iCP31 Excavate e iCP42 Grade, ambos dotados de sensores e GPS que auxiliam o operador a conhecer a posição da caçamba para escavar na altura correta.

 

Veja mais

Confira outros destaques da feira no portal de notícias Apelmat.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *