Nas alturas

Atualmente é comum ver as plataformas de trabalho aéreo e manipuladores telescópicos em obras, indústrias de pequeno, médio e grande porte ou até mesmo em fazendas e usinas, seja para elevar pessoas, seja para buscar e movimentar cargas

Por Jacques Chovghi Iazdi*

 

O mercado de plataformas de trabalho aéreo (PTA) e manipuladores telescópicos está em crescimento no Brasil. Para novos locadores, ele tem sido muito satisfatório, pois vemos muitas empresas aumentando e renovando sua frota, além de novos locadores de outros segmentos, como o de guindastes, linha amarela e braço mecânico, incorporando esses equipamentos.

As plataformas de trabalho aéreo têm uma norma regulamentadora específica – a NR 18 anexo IV –, mas agora é preciso atender também à NR 35.

No Brasil, há vários tipos de plataformas de trabalho: de tesoura, articulada, telescópica, unipessoal, de mastro vertical, spider (sobre esteiras com patolas) e sobre caminhão (com braço não isolado).

As mais utilizadas e locadas são as do tipo tesoura e as articuladas, tanto as elétricas, com baterias recarregáveis, quanto as que têm motor a diesel. Porém, aos poucos as plataformas sobre caminhão (com braço isolado) estão conquistando espaço por conta de sua mobilização rápida. Prontas para o trabalho, elas não dependem de caminhões com pranchas para que sejam levadas até o local das obras, pois já estão no chassi do caminhão, percorrendo assim qualquer distância.

Atualmente, existem muitos fabricantes de outros países com seus escritórios instalados no Brasil. Por isso, é possível ter acesso às melhores marcas mundiais de plataformas de trabalho aéreo autopropelidas, como XCMG, JLG, Skyjack, Genie/Terex, Sinoboom, Imer, Manitou, Snorkel, Haulotte, Oil Steel, Airo, CTE, Guiton Socage, Bravi e Sivge.

Sobre chassi de caminhão, encontramos os seguintes fabricantes: Guiton Socage, CTE, Madal Palfinger, Imap, Teupen e Oil Steel.

Dos fabricantes de manipuladores telescópicos, atuam no mercado nacional as empresas Merlo, JCB, Genie/Terex, JLG, Dieci, Manitou, Caterpillar, Haulotte, Gehl, New Holland e AUSA.

As PTAs têm diferenciais importantíssimos. São equipamentos móveis e de operação simples, operados pela própria pessoa que executa o serviço. A tecnologia utilizada é de ponta, e as plataformas podem ser sobre chassi de caminhão, autopropelidas ou não, e trabalhar em ambientes abertos ou fechados, de canteiros de obras a instalações industriais, sobre pisos pavimentados ou não.

Como as PTAs funcionam?

Com motores elétricos ou diesel, as PTAs possuem uma estação de trabalho chamada cesto ou plataforma, sustentada em sua base por uma haste metálica (lança) ou tesoura.

Características relevantes

Os principais benefícios das PTAs são mobilidade e rapidez. Pessoas, ferramentas e equipamentos são elevados à posição de trabalho em segundos.

As PTAs não necessitam de montagem e desmontagem, economizando tempo, e deslocam-se com energia própria. As autopropelidas têm limitação máxima conforme o modelo. Já as plataformas sobre caminhão não têm limitação, pois o caminhão carrega a PTA, garantindo agilidade e segurança iguais às autopropelidas. A principal diferença é que a plataforma sobre caminhão tem patolas que devem ser ativadas antes de iniciar a operação.

Acessibilidade e versatilidade

A configuração das lanças articuladas e telescópicas permite o acesso direto aos pontos mais difíceis.

As plataformas autopropelidas estão disponíveis em versões com tração nas duas (4×2) ou quatro rodas (4×4) e em modelos com direção nas duas ou quatro rodas, sendo possível passar até por terrenos irregulares.

Atualmente, no Brasil, a maior plataforma autopropelida tem 45,72 metros de altura a partir do piso e pesa 26.354 quilos.

Segurança e comodidade

As PTAs foram desenvolvidas para dar segurança ao trabalhador. O trabalho realizado com a PTA evita riscos de quedas em escadas, andaimes ou passarelas.

Para a operação das PTAs é obrigatório que o operador tenha treinamento, certificado e um crachá, que são concedidos por uma empresa de treinamento com instrutor qualificado, conforme a NR 18 anexo IV e atendendo à NR 35.

As PTAs eliminam os riscos de caminhar sobre estruturas perigosas, realizar esforço físico para elevar materiais e ferramentas, e trabalhar em lugares incômodos.

As vantagens dos manipuladores telescópicos

Os manipuladores telescópicos são equipamentos que aos poucos vêm conquistando espaço no mercado brasileiro, pois o segmento começou a se mecanizar para ganhar produtividade com segurança e reduzir custos e tempo.

Muito utilizado em indústrias, fazendas, aeroportos, centros de distribuição, obras em geral, montagens de palcos de show (para elevação de caixas e apetrechos de som), esses equipamentos também vêm sendo usados em corridas de Fórmula 1, para içar os carros com problemas e removê-los da pista com total segurança e rapidez.

Confira outras utilidades e benefícios desse tipo de equipamento:

– Retira a carga paletizada ou não do caminhão, podendo colocar no local onde o produto será usado.

– Pode elevar uma carga em até 17 metros de altura e suporta cargas com até 4 mil quilos. Vale lembrar que é preciso verificar o manual de operação do equipamento, conferindo a tabela de carga em relação à altura.

– A lança se estende para a frente, levando a carga ao ponto onde deve ficar com segurança e precisão.

– É muito seguro e rápido para elevar e pegar carga.

– Na obra, o tempo de remoção e deslocamento de carga cai muito, ou seja, há um ganho em produtividade.

– Alguns modelos têm cabine fechada com ar-condicionado, oferecendo uma melhor condição de trabalho para o operador.

– Alguns modelos têm tração nas quatro rodas (4×4) e podem ter as quatro rodas dirigíveis, ou seja, operam no modo caranguejo, como é popularmente conhecido.

– Alguns manipuladores telescópicos podem ser alugados ou comprados com vários acessórios. Os modelos já vêm com dois garfos para pegar paletes ou equipamentos, e o que pode ser solicitado para alguns fabricantes são: concha (muito usada em obras de construção civil), porta-feno (usado em fazendas), porta-bombona (utilizado em fazendas, usinas e indústrias), gancho, cesto aéreo (ou plataforma de trabalho aéreo) e porta-pneus médios e grandes. Em casos específicos, existem manipuladores telescópicos que podem ser acionados por ignição, e as unidades telescópicas e de giro da base por controle remoto (modelo roto/merlo).

 

*Jacques Chovghi Iazdi é diretor da JC Iazdi, instrutor, palestrante, consultor e especialista em plataformas de trabalho aéreo e manipuladores telescópicos no Brasil.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *